Ser Feliz…


Ser feliz não é ter um céu sem tempestades, caminhos sem acidentes, trabalhos sem fadigas, relacionamentos sem decepções. Ser feliz é encontrar força no perdão, esperança nas batalhas, segurança no palco do medo, amor nos desencontros.

Ser feliz não é apenas comemorar o sucesso, mas aprender lições nos fracassos. Ser feliz não é apenas ter júbilo nos aplausos, mas encontrar alegria no anonimato. Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver a vida, apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.

Ser feliz não é uma fatalidade do destino, mas uma conquista de quem sabe viajar para dentro do seu próprio ser. Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história. É atravessar desertos fora de si e ser capaz de encontrar um oásis no recôndito da sua alma. É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.

Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos. É saber falar de si mesmo. É ter coragem para ouvir um “não”. É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta. É beijar os filhos, curtir os pais! É ter momentos poéticos com os amigos, mesmo que eles nos magoem.

Ser feliz é deixar viver a criança livre, alegre e simples que mora dentro de cada um de nós. É ter maturidade para falar: “Eu errei”. É ter ousadia para dizer: “Me perdoe!” É ter sensibilidade para expressar: “Eu preciso de você”. É ter capacidade de dizer “Eu te amo”. E, quando você errar o caminho, recomece tudo de novo; pois, assim, você será cada vez mais apaixonado pela vida. E descobrirá que…

Ser feliz não é ter uma vida perfeita. Mas usar as lágrimas para irrigar a tolerância. Usar as perdas para refinar a paciência. Usar as falhas para esculpir a serenidade. Usar a dor para lapidar o prazer. Usar os obstáculos para abrir as janelas da inteligência.

Texto de Augusto Cury, extraído do livro “Dez Leis para Ser Feliz”.

Algumas vezes..


Algumas vezes, tomamos decisões erradas – geralmente sem considerar quem somos – e acabamos caindo em um buraco do qual parece que jamais sairemos. Nos tornamos infelizes. Uma decisão errada leva até outra, que leva para outra e uma fileira de dominós acaba caindo sem parar. Vamos dormir e nos perguntamos: o que é que fiz da minha vida?

Há pessoas que, neste processo, se transformam em tubos: acordam, escovam os dentes, fazem o desjejum, trabalham, almoçam, trabalham voltam para casa, jantam, dormem e, em alguns pontos do dia, vão ao banheiro. No dia seguinte, repetem exatamente a mesma coisa. E no outro. E no outro. E no outro. Sem que haja uma luz no fim do túnel. São tubos, pelos quais passa comida.

Após uma palestra, um espectador veio dizer que se sentia um zumbi, alguém que passa os dias apenas reagindo aos acontecimentos e pessoas, sem escolher nada do que acontecia: “Escolhi minha profissão porque tinha que agradar meu pai, me casei com alguém que mal conhecia porque estava sozinho, nesse momento, trabalho no que não gosto porque tenho que pagar as contas”. E completou: “Pisquei os olhos e já passaram 30 anos, igual ao personagem do filme ‘Click’”. Tenho vários sonhos que ainda poderia realizar, mas será que eu devo?”.

Na maioria das vezes, quando alguém pergunta isso, é porque já sabe a resposta. Há momentos nos quais os dias parecem se repetir, na vida de todos nós, e tudo parece igual. Mas isso pode ser um bom sinal. Afinal, quando estamos na estrada, indo de uma cidade para outra, há momentos em que o ponto da estrada no qual estamos é exatamente igual o ponto que passamos quinze quilômetros antes. Isso não é um problema, já que sabemos para onde vamos. Sabemos que a estrada é o caminho para a outra cidade. A viagem pode até ser desconfortável, cansativa, longa e monótona – mas sabemos aonde queremos chegar.

Por isso, se o ponto da vida no qual estamos agora é um caminho para nos levar aonde desejamos chegar, não se preocupe com essa aparente repetição do nada. É apenas uma percepção parcial da realidade, mas dentro de algum tempo você chegará onde deseja. Continue avançando e se prenda à realidade dos resultados, mesmo que apenas em sua mente, pois eles chegarão. Neste caso, a repetição, o hábito e a aparente monotonia são apenas a estrada que levará você até a cidade desejada. Continue firme. Cada metro que você avança será um metro a menos até seu sonho.

Por outro lado, se o ponto da vida no qual você está foi causado por uma decisão claramente equivocada, e os dias estão se repetindo como um castigo, aparentemente, sem razão, é hora de mudar. É o momento de balançar a árvore da sua vida, para ver o que cai, como fazíamos quando crianças e queríamos apanhar frutas. Comece mudando por dentro, imediatamente. Mude o que você escolhe ver, ler, ouvir, as pessoas com as quais escolhe estar, aquilo que você diz e o que você aprende.

Talvez não seja fácil. Sua mãe, pai, cônjuge, filhos, amigos e colegas podem reagir tentando bloquear suas mudanças, geralmente, com a melhor das intenções. Mas a mão não alcança aquilo que o coração não almeja, portanto, é melhor escutar seu coração para a tomada de decisões. Sempre unindo a razão e a ação contínua, claro, porque pensar apenas com o coração não é a chave. A chave é usar a razão, a emoção e a ação em tudo o que você deseja. E estes três lados devem estar alinhados, com o mesmo objetivo.

Se você estiver indo para a direção desejada, com a pessoa desejada, agindo todos os dias, a repetição não será um problema – será apenas um ponto da estrada que levará você do lugar onde está agora para a vida que deseja viver. Pense em um tempo no qual as coisas tinham tudo para serem perfeitas. Tente voltar a este tempo, como um motorista volta para a estrada certa, após ter escolhido o caminho errado. E volte para o caminho certo. Sua vida merece isso.

Texto de Aldo Novak, coach, conferencista e diretor da Academia Novak do Brasil.

Filhos, Família e Dinheiro


Hoje vamos conversar mais um pouco sobre planejamento, futuro e  família. Não necessariamente nessa ordem, porque o cerne do artigo será o planejamento e as mudanças quando um filho é a novidade da vez. Quem não conhece a história da gravidez que chega de surpresa e altera, muitas vezes para sempre, o planejamento e futuro das famílias envolvidas?

Pretendo mostrar o quanto um bom planejamento pode descomplicar a vida dos pais e garantir melhores oportunidades para o futuro do filho tão amado que chega. Gosto muito de citar o conselho comum de nossos pais, algo que ouvimos, mas nem sempre praticamos: “A preparação é tudo. Você precisa estar pronto para enfrentar os problemas da vida”.

Os cuidados pessoais

Quando o assunto é gravidez, não existe uma verdade mais clara: preparação é realmente algo fundamental. As ações normalmente mais importantes são: cuidar da futura mamãe e do bebê. Consultar o médico regularmente e tomar todas as precauções necessárias de um pré-natal eficiente também são ações fundamentais. Mas e os aspectos operacionais e financeiros?

Surge nossa primeira orientação: certifique-se que seu plano de saúde cobre as despesas obstetrícias. Nem todos os planos trazem essa cobertura, o que pode custar caro ao longo de uma gravidez bem acompanhada. O mesmo conselho vale para a inclusão de recém-nascidos nos planos, que costumam não aceitá-los se não notificados nos primeiros 30 dias a contar da data de nascimento.

Os cuidados financeiros

Sem dúvidas, a chegada do bebê é um momento de muita felicidade. Eu que o diga. Então surge a preocupação com o futuro. Perguntas e dúvidas sobre a capacidade de criar uma criança, orçamento familiar e mudança nos hábitos são uma constante. Os gastos e despesas tendem a crescer com o amor que nutrimos pelo filho(a) que chega.

O controle das finanças é essencial desde a primeira notícia de gravidez. Exatamente porque pensamos em proporcionar todo conforto possível à família, devemos sentar e discutir o orçamento familiar, as provisões, os investimentos e as eventuais necessidades de mudanças.

Algumas dicas simples:

• Use o bom senso para escolher as peças de roupa para a criança;

• Só reforme o quarto ou faça algo maior no cômodo se isso for realmente necessário;

• Mantenha um controle separado para as despesas do casal com a chegada do filho, mas sempre lembrando-se de incluí-las nos controles gerais de orçamento da casa;

• Pesquise os artigos com o melhor preço.

Não extrapole seu orçamento

Não economize no carinho e dedicação, mas cuidado com as despesas. Comprometer seu orçamento significa criar um forte empecilho para viver harmoniosamente as fases e o crescimento de seu filho(a). Lembre-se do que é realmente essencial e reorganize sua agenda.

As visitas aos cinemas com muita freqüência podem ser substituídas por uma corrida à locadora, a pipoca de casa se bem preparada fica sempre muito gostosa. Muitas atitudes simples podem gerar ótimas economias. É natural o ímpeto consumista aumentar. Cuidado. Para não cair na tentação, experimente usar menos o cartão de crédito e pagar mais à vista. Na alimentação da família, a mesma atenção. Opte pela qualidade, mas observe melhor os preços.

O futuro do bebê e seus primeiros passos

Novos desafios começam com a chegada da criança. É hora de pensar, mais do que nunca, em uma poupança (sentido mais amplo da palavra) capaz de garantir um futuro tranquilo ao novo herdeiro. Novas despesas aparecem: babá, escolinha, roupinhas, fraldas, produtos de higiene, vacinação etc.

Em média, o custo do primeiro ciclo da educação fundamental oscila entre R$ 600,00 e R$ 1.500,00 (incluindo mensalidade, material, uniformes, lanche, etc.). Pois é, o bebê cresce muito rápido. Poupar desde o inicio, mesmo que uma pequena parte de seu salário facilita bastante o futuro da família.

Opções de investimento

São inúmeras as possibilidades para o futuro de seu filho, principalmente porque temos um aliado de peso jogando ao nosso lado: o tempo. Ele é capaz de proporcionar a criação de uma boa reserva financeira, garantindo que seu filho possa estudar nas melhores escolas e fazer uma boa faculdade, escolhendo o curso que realmente lhe interesse.

O tempo existe para todos, mas aproveitá-lo é uma decisão pessoal. Pensando no futuro do seu bebê, notamos variados produtos e alternativas de investimento:

• Previdência Privada (PGBL ou VGBL): contribuições mensais que, em prazo estipulado, renderão em fundos de diversificadas estratégias. O PGBL ainda oferece possibilidade de abatimento na declaração do IR (até 12%) sobre o total de sua renda bruta. Se você faz a declaração anual de IR, do modelo completo, pode ser uma boa opção.

• Clubes de investimentos: Você sabia que muitos recém nascidos já participam de clubes de investimentos em ações? Que tal um clube onde a idade máxima é de 13 anos e o resgate só pode ser feito a partir dos 18? Os clubes de investimentos, ao longo dos anos, mostram-se uma excelente opção. Constituídos por 3 ou mais pessoas (até o limite de 150), com estatuto próprio e composição da carteira definida pelos participantes, conseguiram consagrar-se como excelente alternativa dentro do mercado de renda variável.

• Caderneta de poupança: Nossos pais certamente usaram a caderneta de poupança quando pensavam em poupar algum valor para nosso futuro. Hoje em dia, com os juros mais baixos e as altas taxas de administração de alguns fundos, a caderneta de poupança retomou o fôlego. A não incidência de IR, tão comuns aos fundos e demais produtos financeiros e a liquidez são diferenciais interessante.

Todas as alternativas mostradas podem receber aportes adicionais, de outros membros da família que se preocupem com o futuro da criança. Imagine a festa de aniversário de 2 anos de sua filha: por que não presenteá-la com diversas cotas em um clube de investimento? Pense nisso!

Seguro de vida

Poucas vezes li algum artigo que mencionasse a importância de um seguro de vida. É claro, jamais esperamos o pior, mas estar preparado para esse imprevisto garante a continuidade do bem estar de sua família. Verifique com seu corretor se há, em sua apólice atual, alguma cobertura que garanta o futuro de seu filho. Se não há nada presente, esse é o momento de providenciá-la.

Será que R$ 20 por dia são suficientes para criar um filho? Pense nisso não como um valor fixo ou um chute de algum especialista. Pense na importância de dedicar-se ao planejamento financeiro que um filho exige. Não encontrei o nome do autor do texto, mas tomo a liberdade de reproduzi-lo, como forma de homenagem e admiração:

O Preço de um filho

São 20 reais por dia para:

• Você ter o direito de dar nomes: o primeiro o do meio e o último:

• Para você ter risadinha debaixo das cobertas todas às noites;

Para ter mais amor do que seu coração pode suportar.

O que você ganha por 20 reais por dia?

• Beijos jogados no ar e abraços muito demorados;

• Uma mão para segurar, normalmente, suja de geléia ou chocolates;

• Um parceiro para fazer bolhas de sabão ou soltar pipas;

• Alguém para fazer você rir como bobo, não importa o que seu chefe tenha dito.

Por 20 reais ao dia, você não precisará crescer nunca. E terá direito a receber molduras de arco-íris, de corações ou flores, imãs de geladeira, conjunto de mãos impressas em argila para o Dia das Mães, e cartões com letras viradas para o Dia dos Pais.

Por 20 reais ao dia, você é um herói apenas por

• Retirar as rodinhas da bicicleta;

• Remover uma farpa;

• Encher uma piscina de plástico;

• Fazer bola de chiclete sem estourar.

Você tem lugar garantido na primeira fila da “história” como testemunha

• Dos primeiros passos;

• Das primeiras palavras;

• Do primeiro sutiã;

• Do primeiro namoro.

Aos olhos de uma criança, você se localiza logo abaixo de Deus. Você tem poder para curar um choro, espantar os monstros que estão debaixo da cama, remendar um coração partido, policiar uma festa sonolenta, cultivá-los sempre e amá-los sem limites. Algum dia, eles também amarão sem medir os custos e, assim, vão te tornar eterno, através dos netos, que irão te dar. Fale a verdade, é um excelente negócio por esse preço.

Que tal a reflexão? Amor não se cobra, não se paga, é doação. Mais do que dinheiro, seu melhor presente para seus filhos é o exemplo. O que você faz por ele hoje, incluindo aí os aspectos financeiros importantes de sua educação formação, é o legado que fica para a sociedade. Até a próxima

 

A procura da felicidade


Qual seria sua reação se sua vida começasse a seguir rumo a um grande abismo? Imagine sua mulher cobrando conforto e segurança, seu filho pequeno, que você tanto ama, permanecendo o dia todo em uma creche nada higiênica ao lado de animais e profissionais sem nenhum recurso pedagógico. Triste? Razão para total desespero? Oportunidade?

E se suas contas estivessem atrasadas, incluindo o aluguel? E se, dada tamanha pressão, sua mulher o abandonasse? Se você pensa que isso é impossível ou improvável, gostaria de convidá-lo a acompanhar esse drama da vida real.

No final, como parte do aprendizado, vemos que força de vontade e persistência pode fazer toda a diferença. Fugindo dos tradicionais artigos técnicos e de dicas financeiras, hoje vamos navegar por uma história real de alguém interessadíssimo em finanças, que trinfou e, humildemente, compartilhou sua história com o mundo através de livro e filme.

Há pouco tempo atrás conversando com um leitor sugeriu um filme:

“Você já viu o filme ‘À procura da felicidade’, com Will Smith? Aconselho a todos. É uma linda história –  baseada em fatos reais – que serve como motivação para qualquer um que esteja passando por algum tipo de dificuldade ou que precise de uma motivação a mais para novas conquistas”

Decidi seguir o conselho do amigo e aproveitei o tempo livre proporcionado pelo carnaval, reuni algumas pessoas da família, recorri à velha e boa pipoca de microondas e assisti ao filme.

O começo

” À procura da felicidade” relata a história de Christopher Gardner, hoje com 54 anos, e se passa durante o começo da década de 80. Chris, que antes do filme lançou um livro narrando sua saga (“The Pursuit of Happyness”), apostou, no início de sua vida de casado, toda sua poupança na revenda de máquinas portáteis a pequenos hospitais e consultórios médicos.

Uma alternativa mais moderna às velhas máquinas de raio X, o que parecia ser um negócio da China logo se transformou em um pesadelo. Ele percebeu a dificuldade em vender um equipamento caro e com pouco mercado, já que a tecnologia naquele momento era um luxo. Naquele período, o EUA e o mundo passavam por problemas econômicos sérios oriundos da chamada Crise do Petróleo.

Chris narra em sua história que, para pagar suas despesas básicas, precisava vender ao menos 3 máquinas por mês, o que via de regra não conseguia. Quando se deu conta, era um homem desempregado, abandonado pela esposa, pai solteiro, mendigo, carregando o filho pequeno para os abrigos de sem tetos, bancos de jardins e até banheiros públicos, que serviram de dormitório.

A virada

Em uma de suas incansáveis peregrinações pelas ruas de São Francisco, Chris Gardner observou um sujeito procurando vaga para estacionar uma Ferrari vermelha. Impressionado com a máquina ele fez duas perguntas: “O que você faz? Como você faz?”

O dono da Ferrari disse que era corretor da Bolsa de Valores e que tudo o segredo era simples: ser bom com números e com pessoas. Começou ali uma guinada incrível na vida de Chris. Nesse momento, todas as suas economias somavam apenas US$ 25.

Ele se inscreveu em um programa de estágio não remunerado numa corretora de valores, sobrevivendo com a venda de uma ou outra máquina para alguns médicos e usando todo o seu tempo livre (madrugadas) estudando livros que recebera durante o estágio. Durante esse tempo, Chris desenvolveu a chamada “Teoria dos fertilizantes”:

“Nesse mundo existem dois tipos de pessoas: aqueles que vêem um monte de estrume e o identificam como merda e os que reconhecem ali uma boa quantidade de fertilizantes”

Depois de muito tempo penando, Chris se destacou no estágio e conseguiu licença para operar oficialmente na Bolsa. Logo encontrou emprego na conceituada firma Bear, Stearns & Co. Inc.

A lição

Através da história de Chris percebi que, mesmo nos piores momentos, a busca da felicidade foi apenas um pontapé inicial para a busca de uma compensação para suas perdas financeiras. A felicidade foi encontrada não na possibilidade de ganhar milhões ou comprar uma Ferrari, mas poder proporcionar algo de bom para seu filho: o exemplo. O dinheiro foi uma ótima consequência.

Não deixe que ninguém o faça desistir dos seus sonhos ou que ninguém lhe diga do que você é capaz. Só você sabe disso. Nem sempre o que é realmente valioso em nossas vidas pode ser comprado. A felicidade por poder proporcionar aos filhos boa educação, roupas caras e brinquedos da moda nunca deve ser comparada à felicidade em situações menos abastadas. Felicidade não se quantifica, se vive!

Todos nós temos fixação em histórias como as de Chris. Ficamos fascinados pela possibilidade de alguém sair da pobreza e ficar rico, não é mesmo? É claro que esta é uma história de sucesso, mas note que ela vai além do desejo de riqueza, poder e fama. Trata-se de uma lição de força de vontade, motivação, perseverança.

Infelizmente, milhares acabam indo na direção oposta, afundando cada vez mais em suas dívidas e problemas pessoais. Não é fácil, é verdade. Não temos a menor noção do périplo enfrentado por pessoas como Chris. Filme é filme, vida é vida. O que tudo isso tem a ver com dinheiro, com o Dinheirama? Tudo! Você só vai atingir seus objetivos financeiros quanto preocupar-se igualmente com seu aspecto pessoal e emocional. Com a felicidade nos pequenos detalhes.

Sugiro, assim, que assimilemos algumas coisas: quem se motiva, aprende com os erros do passado, busca inspiração na cultura e se dedica naquilo que pode fazer a diferença, pode mudar o próprio destino. A esperança traz a sorte e ambas trabalham juntas na busca do sucesso. Saber se relacionar também é algo fundamental. Mesmo quando Chris dormia nos banheiros públicos, ele manteve-se em contato com as pessoas certas, nas horas certas.

Hoje Chris Gardner é dono da Christopher Gardner International Holding, com sede em Chicago e sua fortuna é estimada em US$ 600 milhões. Ah sim, ele comprou sua primeira Ferrari nos anos 90. Era usada, mas o ex-dono era ninguém menos do que Michael Jordan, o maior gênio da história do basquetebol. Ficaram amigos.

Interessou-se pelo filme? Seria ótimo poder contar com sua opinião depois por aqui. Até a próxima !

Tempo CERTO!!


De uma coisa podemos ter certeza: de nada adianta querer apressar as coisas; tudo vem ao seu tempo, dentro do prazo que lhe foi previsto. Mas a natureza humana não é muito paciente. Temos pressa em tudo e aí acontecem os atropelos do destino, aquela situação que você mesmo provoca, por pura ansiedade de não aguardar o tempo certo. Mas alguém poderia dizer: qual é esse tempo certo?

Bom, basta observar os sinais. Quando alguma coisa está para acontecer ou chegar até sua vida, pequenas manifestações do cotidiano enviarão sinais indicando o caminho certo. Pode ser a palavra de um amigo, um texto lido, uma observação qualquer. Mas, com certeza, o sincronismo se encarregará de colocar você no lugar certo, na hora certa, no momento certo, diante da situação ou da pessoa certa.

Basta você acreditar que nada acontece por acaso. Talvez seja por isso que você esteja agora lendo estas linhas. Tente observar melhor o que está a sua volta. Com certeza alguns desses sinais já estão por perto e você nem os notou ainda. Lembre-se que o universo sempre conspira a seu favor, quando você possui um objetivo claro e uma disponibilidade de crescimento.

Texto do escritor Paulo Coelho.