“muito dinheiro para Judas”


No início da semana, uma notícia vinda da Austrália, causou espanto pelo inusitado da situação: Uma milionária australiana deixou R$ 2,50 de herança para as filhas. Isso mesmo. A mulher, que morreu aos 81 anos, em 2009, de causas naturais, tinha uma fortuna equivalente a R$ 5,5 milhões, mas deixou para cada uma das duas filhas apenas R$2,50. Ela decidiu punir as herdeiras porque acreditava que conspiravam contra ela. Coisas que a ganância humana explica.

No testamento, feito por ela em 1987, a mulher registrou o desejo de deixar apenas “30 moedas do valor mais baixo” às filhas. E disse que a quantia era “muito dinheiro para Judas”. A australiana determinou ainda que as filhas fossem excluídas “de qualquer outro benefício”. Agora, as herdeiras querem provar que a mãe estava “delirando” quando escreveu o testamento, há mais de 20 anos. Elas entraram na Justiça alegando que tem direito a herança. Por enquanto, a fortuna deixada pela milionária está destinada a uma organização beneficente.

O episódio parece confirmar uma realidade que todos conhecemos: heranças são, frequentemente, motivo de disputa, conflito, desagregação familiar. Há algumas décadas, moças e rapazes queriam começar a trabalhar cedo, em busca de um sonho que já representou muito mais do que representa hoje: a independência. Hoje, dependentes e acomodados, muitos jovens estendem a adolescência até os 30 anos, numa prolongada Síndrome de Peter Pan. E mais: eles consideram a coisa mais normal do mundo continuar morando com os pais, com direito a casa, comida e roupa lavada na mãozinha. É a geração canguru que, quando se sente ameaçada pelos desafios próprios da vida, volta correndo para a bolsa da mamãe…

Quanto ao orgulho de se construir o próprio patrimônio… elementar meu caro Watson, nenhum problema ou constrangimento: tudo o que pertence aos pais já foi contabilizado como patrimônio dos filhos. O ovo ainda está naquele lugar da galinha, mas o filhão já conta com o omelete. E o papai, equivocado diz, com orgulho: tudo o que construí é dos meus filhos.

O problema é que alguns filhos estão com pressa e, baseados na lei do menor esforço, tal qual o filho pródigo da parábola, eles sugerem a partilha dos bens mesmo antes da morte dos pais. Se podem usufruir hoje daquilo que, mais dia, menos dia, será deles mesmo, para que esperar mais…?

Há até aqueles que brigam quando os pais resolvem viajar, namorar, curtir a vida, depois de dar duro para construir e consolidar um patrimônio. É a lógica dos herdeiros: como meus pais podem gastar o dinheiro que será meu? Daí para a exploração e a discórdia é um pulo.
Quem sofre? Os pais que, se erraram em não cobrar mais dos filhos, merecem, pelo menos, respeito pela história construída com o suor do próprio rosto. Aqui vale lembrar uma expressão jurídica que diz: “não existe herdeiro de pai vivo.”

E pensar que tem gente que considerou a tal australiana uma “mãe raça ruim”.
E por falar em australiana… É, canguru, ‘quem não te conhece, que te compre’…

Quer ser promovido? Seja um resolvedor de problemas!


Acompanhar a carreira de executivos ao longo dos anos e ver as progressões feitas de acordo as escolhas tomadas pelos mesmos é muito interessante. Existem várias maneiras de crescer na careira e tornar-se bem sucedido, mas a evidência tem me mostrado que crescem mais os que optam por caçar e resolver problemas. Incansavelmente!

Todos nós temos problemas para resolver na rotina diária de trabalho, mas tendem a ser mais bem-sucedidos aqueles que resolvem os seus problemas e ainda ajudam na solução de problemas que vão além do escopo previamente definido para seu posto de trabalho.

Por exemplo, mudar o plano de saúde dos funcionários é sempre uma questão polêmica e que para muitos empregados pode ser um problema. Se você é um profissional de RH encarregado desta tarefa, pode também elaborar uma série de workshops explicando aos funcionários o que levou a empresa a mudar de plano de saúde, mostrar um quadro explicativo com todas as novas vantagens e mostrar-se aberto para perguntas ao vivo durante as apresentações. Esqueça priorizar as respostas por meio de um endedereço de email; isto poderá ser considerado um meio de comunicação muito frio para um assunto tão importante como este.

Para você que tem uma equipe sob sua gestão, outro exemplo é ficar próximo de um outro time cujo gestor está de férias. Com sua experiência, você poderá suportar estes profissionais em problemas diários como a priorização de ações e até minimizar maiores riscos, uma vez que as correções poderão ser tomadas no início do problema.

Você pode se perguntar se vale à pena o esforço extra, se alguém está vendo sua performance diferenciada e se ao final do dia existe a certeza de que haverá uma recompensa.  A resposta é: não há garantias!! Mas é uma aposta a ser feita. Acreditem: na maioria das vezes este investimento tem um bom retorno!

Na pior das hipóteses, se você tiver uma performance extra, trabalhar duro e quando chegar sua vez, não rolar o reconhecimento, tenha certeza que o mercado fará isto. Não há empresa séria que desperdice a oportunidade de contratatar  um profissional que é reconhecido por muitos como um talento, mas às vezes deixa de ser valorizado por poucos.

No final das contas, esqueça crescimento profissional e promoção sem ter que ralar muito. Como dizia Aristóteles: ” Somos o que repetidamente fazemos. A excelência não é um feito, mas um hábito.” Potante trate de arregaçar as mangas e mãos-à-obra;  HOJE!!