A falta que faz


A falta que faz a abstração, texto de Martha Medeiros

Em 1983 (em outra vida, portanto), eu iniciava carreira como publicitária e consegui marcar um gol importante para me firmar na profissão: criei um comercial para o digestivo Olina em que aparecia um Frankenstein comendo uma farta refeição em seu castelo, e depois tomando o produto para garantir que tudo seria digerido sem esforço. Só que, ao terminar de tomar o digestivo, ele devorava também o copo que tinha em mãos. Percebeu a genialidade? Olina era tão eficiente, que você podia até engolir um copo de vidro que tudo bem. Hoje acho essa idéia totalmente estapafúrdia, mas na época fez um sucesso danado e até prêmio o comercial ganhou.

Pois eu estava toda boba com minha “sacada”, quando um dia abro o jornal e leio na primeira página: “Menina morde copo imitando propaganda e vai parar no pronto-socorro”. Era só o que me faltava. Eu queria esganar a guria: nunca ouviu falar em efeito especial? (o “efeito especial”: o copo tinha sido feito com uma geléia endurecida). E de mais a mais: Frankenstein lá existe? Fiquei possessa. Claro, estava com medo de ir para a cadeia.

Não é comum, mas acontece: alguém salta da janela crente que é o Super-Homem ou dispara contra estudantes porque viu fazerem isso num jogo de computador. Dã.

Recentemente, um rapaz produziu notas falsas de dinheiro dizendo que havia se inspirado no filme O Homem que Copiava, de Jorge Furtado. E aí fica a pergunta no ar: qual a responsabilidade dos criadores frente às atitudes de quem consome suas obras?

A resposta deveria ser: nenhuma. Se alguém não sabe abstrair, tem que nascer de novo e começar do zero. O problema é que muita gente, em vez de refletir sobre o que vê, simplesmente imita o que vê, e aí saem a dirigir feito loucos, como num filme de ação, ou se comportam de forma vulgar, a exemplo de alguma personagem de novela.

Absorver o mundo de forma literal é falta de cultura e de inteligência. Uma criança sabe que não pode voar, que não pode escalar paredes e que não pode mastigar copos de vidro. Já tem alguma noção do que é realidade e do que é fantasia, já sabe que dragões e duendes não existem, já descobriu que ninguém na sua família e na escolinha tem superpoderes. Se ela ainda confunde esses universos, é porque não teve acesso ao mundo espetacular da arte e do nonsense, que serve justamente para a gente abstrair. E seguirá confundida pela vida afora.

Nessa sociedade high-tech e imediatista, muitos se perguntam: para que serve a leitura? Pois é, pra quê? Tem tanto CD-ROM estimulante, tanto programa sexy e violento, tanta facilidade de aventura nas ruas da cidade, tanta besteira aceita como cultura, pra que ler? Literatura talvez não tenha mais serventia nenhuma, a não ser para evitar o surgimento de gente tola. Levar tudo literalmente a sério é um sintoma gravíssimo da falta de imaginação, da falta de raciocínio e da robotização de uma galera que não sabe mais pensar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s